Paisagismo e jardinagem: qual a diferença?

No senso comum e até no mercado de trabalho, paisagismo e jardinagem são, muitas vezes, usadas como equivalentes ou como variantes de uma mesma atividade. Ambas são entendidas como responsáveis pela composição de jardins com plantas ornamentais, geralmente com intenções decorativas.
Na prática, o paisagismo é tratado como se fosse uma versão mais elaborada da jardinagem, executada por profissionais com formação mais aprimorada. Mas, ao abordarmos esses termos com um pouco mais de rigor, diferenças relevantes na abordagem profissional começarão a surgir.
Vale prestar atenção nos pontos que distinguem as duas atividades, para que possamos perceber a amplitude de assuntos que de fato conceituam cada termo.

O que é jardinagem?

Jardinagem está relacionada ao ofício e à arte de cultivar jardins. Exige conhecimentos a respeito das plantas ornamentais, as necessidades, as técnicas de cultivo e a manutenção delas, e a respeito da maneira de organizá-las em canteiros esteticamente harmônicos. O projetista os organiza como composições a partir da plasticidade das formas, cores, texturas e volumes de cada planta.

E paisagismo?

Paisagismo está relacionado ao planejamento da paisagem. Os temas centrais da atividade são o planejamento da interferência na paisagem – a responsabilidade com a construção da paisagem é uma preocupação permanente do paisagista, mesmo em pequenas áreas – e o planejamento dos espaços não edificados.

Focos diferentes

Em uma leitura simplificada: enquanto a jardinagem se ocupa dos cheios, dos sólidos volumétricos das plantas, o paisagismo foca nos vazios, nos espaços ocos resultantes, que serão ocupados pelas pessoas e serão organizados por elementos construtivos diversos, inclusive plantas ornamentais.
As plantas aqui não são o fim, o objetivo, mas o meio, uma das ferramentas para a construção de espaços e de relações com a paisagem.

O que muda é o enfoque, a maneira de pensar: de um lado parte-se da criação e composição de canteiros, e da sua disposição no espaço. Do outro, parte-se da criação dos espaços, do entendimento de suas características e das sensações e emoções que devem proporcionar. Esses espaços serão definidos e organizados por elementos diversos, inclusive canteiros de plantas ornamentais.

Sempre que houver paisagismo com o uso de plantas – pode haver paisagismo sem plantas – haverá também jardinagem. Mas pode haver jardinagem sem haver paisagismo…

Especificidades

Os conhecimentos que sustentam a jardinagem são os que se originam principalmente na área da agronomia. É preciso saber como manejar as plantas para que elas se desenvolvam plenamente. Isso significa saber preparar o solo, plantar, podar, adubar. Além disso, a consciência estética é fundamental na criação de composições que serão apreciadas por sua beleza.

Já os conhecimentos que sustentam o paisagismo nos termos em que estamos discutindo o assunto, têm origem na arquitetura. É preciso entender de espaços e de como eles são percebidos pelas pessoas e como desejamos que elas se sintam neles. É preciso saber como interconectá-los, como organizá-los de forma a estimular atividades específicas ou repouso, como conduzir caminhos, como orientar olhares e vistas específicas. Paisagismo não é feito para plantas, é feito para pessoas, com plantas.

Isso não quer dizer que o paisagista não precise ter conhecimento sobre as características das plantas ornamentais. A jardinagem quase sempre habita o paisagismo, podendo ser usada para organizar os espaços e produzir os estímulos sensoriais imaginados para quem os percorre.

É fundamental compreender que o paisagismo é uma atividade interdisciplinar, e por isso reivindicado por diversas categorias profissionais que em suas formações originais obtém uma parte do conhecimento necessário à sua execução. Na absoluta maioria dos casos a formação básica é insuficiente e é preciso fazer cursos adicionais, para aprender sobre os temas que tem origem em outras áreas. Para profissionais com formação em áreas como a arquitetura ou o design de interiores é preciso se aproximar do mundo da biologia e das ciências agronômicas e vice-versa, para os que têm formação em áreas como a agronomia é preciso se envolver com os temas do universo da arquitetura.

Paisagismo e jardinagem são complementares, mas muito diferentes. Apesar dos termos serem usados como semelhantes na prática, é preciso perceber que sob o mesmo nome coexistem atividades cujas abordagens divergem em sua partida: colocar plantas no espaço é diferente de criar espaços com plantas!

Comentários

Comentários